domingo, 19 de janeiro de 2014


02 - MEL DE ABELHAS

(Continuação)

Mitos e verdades sobre este poderoso alimento das abelhas

 

ANO 01 – ARTIGO 02 – NÚMERO SEQUENCIAL 002 – 12 DE JANEIRO DE 2014

*por Armindo Vieira do Nascimento Junior – Goiânia/GO

Artigo- Continuação

 

Semana passada inauguramos os artigos semanais publicados junto a Cadeia do Agronegócio Apícola com entrega via e-mail e redes sociais. Falamos em nosso primeiro artigo dos mitos envolvendo o mel de abelhas, esse poderoso alimento que faz parte da mesa da população desde que o homem é homem.Esta semana vamos concluir a fala sobre o mel abordando seus aspectos nutricionais e de promoção da saúde. Aqui também muitos mitos são quebrados levando a reflexão sobre a utilidade do mel na saúde na nutrição humanas.

 

O mel de Abelhas, conforme já falamos semana passada é oriundo das flores. Se não for não pode sequer receber a denominação “mel”.Mas o que é mel do ponto de vista da fabricação pelas abelhas. Como ela processa o néctar e o transforma em mel? Como ocorre o armazenamento dentro da colmeia? Quais suas atividades biológicas e nutricionais???A formação do mel ocorre através de uma reação física e uma reação química.

 

O néctar da flor nada mais é que um líquido açucarado, mistura de água – 95% -  e açúcar na forma de sacarose – 5%. Quando a abelha campeira (a que trabalha no campo) sai da colmeia em busca do néctar e encontra a flor, a abelha suga o néctar para seu estômago. Coleta  pólen, visita mais 5 a 50 flores e quando esta completamente abarrotada de comida retorna a colmeia. Chegando a colmeia a abelha campeira “regurgita o mel coletado na boca da abelha engenheira – responsável pela construção dos favos e maturação desse mel – levando mais uma vez ao estômago. Essa por sua vez passa o mel também regurgitando para outra engenheira e outra e mais outra e outra ainda e tantas quantas abelhas forem suficientes para nesse processo de transferência boca a boca, o mel perca água. Quando a última engenheira compreende que o mel está em uma viscosidade adequada (30% água; 70% açúcar) armazena então o mel no favo deixando o alvéolo depositado aberto. É o chamado pelos apicultores de “mel verde” que ainda não está no ponto de ser colhido, o calor interno da colméia terminará de desidratar esse mel até um percentual de água situado entre 18% e 21%, portanto bastante viscoso. Essa é a reação física de fabricação do mel efetuado pelas abelhas, ou seja a desidratação do néctar com 95% de água em pouco mais de 18% de água.

 

A reação química ocorre também nos “estômagos” das abelhas por onde passa. Se está no estômago ocorre digestão desse mel, e se há digestão, há também enzimas, no caso a enzima Sacarase ou Invertase. Essa enzima invertase atua na sacarose do néctar quebrando a sacarose em 2 açúcares simples: glicose e frutose, a menor unidade de quebra possível de um açúcar. Quando o mel é armazenado no favo já está 97% quebrado na forma de glicose e frutose. Essa é a reação química promovida pela abelha em seu estômago, ou seja, quebrar 100% de sacarose do néctar na flor na forma de glicose e frutose. Toda digestão do mel é feita pela abelha.

 

Atividade antioxidante ou sequestrante de radicais livres.

Quando comemos mel processado pelas abelhas como o descrito acima não fazemos digestão do mel, pois ele já foi digerido pelas abelhas. O mel cai no estômago e é reabsorvido integralmente para o fígado e este por sua vez descarrega na corrente sanguínea, são minutos entre o ato de comer e a glicose do mel cair na corrente sanguínea fornecendo energia imediata para o organismo. Como não fazemos digestão do mel, não produzimos radicais livres, portanto o ato de comer mel não produz radicais livres. Esse mesmo mel, ao ser quebrado pelas enzimas das abelhas, muitas vezes quebra em locais errados, liberando assim na quebra O- e H+, radicais livres perigosos, mas que permanecem no organismo da abelha. Ora, se houve a quebra errada no corpo da abelha, muitas moléculas de glicose e frutose estão com ausência desse O- e H+. Quando comemos mel essas moléculas saem a procura de O- e H+ em nosso organismo, para entrarem em estabilidade e atividade biológica, portanto sequestram radicais livres, reduzindo dessa maneira a quantidade de radicais livres em nosso organismo.

 

Atividade antibiótica do mel

O mel é pobre em água como vimos no processo de fabricação pelas abelhas. Quando comemos mel, o mesmo mata bactérias por Osmose, ou seja, quando entra em contato com a bactéria o mel, pobre em água, suga água do corpo da bactéria eliminando-a. Comer mel com dor de garganta portanto é excelente e auxilia no processo antibiótico contra bactérias nocivas.

 

Fornecimento de energia imediata.

O mel, por ser rico em glicose e frutose, fornece energia imediata. Atletas, alunos em processo de stress por estudo, secretárias, motoristas devem sempre comer mel, pois fornece a energia que muitas vezes nos falta no dia!!!!. Como falamos semana passada, mel é um alimento, portanto, coma sem pudor, não existe dosagem, não existe posologia, mel é comida e deve ser consumido como comida, sempre em substituição ao açúcar, adicionado a massas de bolos, pães e biscoitos, adoçando leites e cafés, enfim, sendo incorporado ao hábito de alimentação diário.

 

A CIA DA ABELHA comercializa mel de Abelhas com qualidade referenciada e rastreada, advinda de ambientes livres de poluentes químicos e de lavouras, de floradas do cerrado brasileiro, de áreas monoflorais de cipó-uva, eucalipto e de áreas de laranjeira e girassol.

 

 

ANEXO A ESTE ARTIGO FOTOS DE ALGUNS DOS NOSSOS APIÁRIOS PRODUTORES DE MEL DE ABELHAS COM QUALIDADE. A NATUREZA NOSSO AGRADECIMENTO, POIS TUDO O QUE TEMOS E O QUE SOMOS DEVEMOS A ELA QUE NOS DÁ GRACIOSAMENTE SEM COBRAR UM CENTAVO SEQUER.

 

*Armindo Vieira do Nascimento Junior, apicultor, apiterapeuta e acupunturista cria abelhas desde 1983. Já possuiu mais de 800 colméias de abelhas no entorno da capital mineira, Belo Horizonte com produção de mel e própolis verde tipo exportação. Atualmente reside em Goiânia, capital do estado de Goiás, onde possui 250 colméias de abelhas voltadas exclusivamente a produção do mel natural floral de abelhas. Fundou em 1988 a Cia da Abelha: www.ciadaabelha.com.br onde comercializa todos os produtos colhidos das abelhas e também materiais, equipamentos e insumos para pessoas que desejam também instalar apiários e para apicultores em todo o Brasil. Trabalha na capacitação de apicultores e profissionais da área alimentícia através de cursos diversos na área já tendo capacitado mais de 8000 profissionais da Cadeia do Agronegócio Apícola em quase 30 anos de atividade.

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário